#5

Afi­nal

A ten­ta­ti­va e erro não fun­ci­o­na na vida. Se é cer­to que os suces­sos, maus ou bons, são o que per­du­ra­rá na memó­ria das pes­so­as, já não estou cer­to de que os insu­ces­sos, bons ou maus, não venham a ser o sal­do final que aca­re­a­re­mos na hora der­ra­dei­ra. Não pude, não con­se­gui, não fiz, têm toda a pos­si­bi­li­da­de de ser a exa­la­ção últi­ma de qua­se todos os mor­tais, como se assim con­se­guis­sem atra­ves­sar a fron­tei­ra que os sepa­ra do vazio man­ten­do uma rés­tia de espe­ran­ça na segun­da opor­tu­ni­da­de de con­cluí­rem os tra­ba­lhos em atraso.

Pen­sa­va o Senhor Alber­to nis­to e em mui­tas outras coi­sas quan­do foi inter­rom­pi­do pelo Sr. Amé­ri­co que, de rom­pan­te, pou­sa as coi­sas no bal­cão como se as dei­xas­se cair, pro­vo­can­do aque­le baru­lho tilin­tan­te de quin­qui­lha­ria der­ru­ba­da por um gato, e excla­man­do Ora um cafe­zi­nho e um bio­xe­ne pró Xôr Alber­to matar o cóbide!”.